Por que ensinar programação das escolas?

Artigo da Wired em Setembro sobre porque devemos focar menos em línguas e música e ter aulas de programação > http://www.wired.com/opinion/2013/09/ap_code/
Então pelo estudo feito mostra-se que é possível ensinar crianças antes da alfabetização a programar, entendo de alguma forma algoritmos e a desenvolvê-los de forma visual, o que é fantástico. Crianças do jardim da infância puderam desenvolver com uma ajuda de applet Java, um jogo da velha! Por fim o autor comenta sobre como nossos tipos de memórias evoluem com idade e aponta vantagens em aprendizado mais cedo.
Parece-me algo muito interessante que as escolas possam oferecer a mais num primeiro momento, e se possível com revisão dos órgãos responsáveis por manter currículo educacional no país.

Advertisements

O que se tem feito e repensando em educação e como fugir do tradicional e ineficaz sistema público.

Encontrei este artigo na Wired hoje a respeito de uma inovação em uma cidade pobre no México, perto da fronteira com os EUA. Por mais adversas que sejam as condições, Sergio Juárez Correa, uma professor que questionou a idéia tradicional de ensino de cima para baixo baseado na premissa de mais de um século de avaliação por capacidade de decorar ao invés de pensar, estudar e entender.

Parece óbvio falar isso mas está longe de ser verdade isto e temos muito a mudar nas escolas com relação a isso. Os países que encontram isto antes, tem uma boa chance de ganhar melhor material para as posições mais exigentes do mercado. Baseado no estudo e experiência de outro colega, Sergio conseguiu incentivar alunos a estudar de outra forma porque todos tem potencial, mesmo com infraestrutura ruim da escola.

Segunda metade do artigo explica o trabalho que seu mentor Sugata Mitra fez na Índia estimulando o estudo de forma diferente do tradicional top-down. Tão interessante e impressionante resultado que as crianças aprendem melhor ao seu ritmo, corroborando alguns fatos de escolas alternativas. Veja mais no > http://www.wired.com/business/2013/10/free-thinkers/?cid=13144904

Escritórios diferentes, benefícios flexíveis, janelas, o que esperar de um local de trabalho.

Por que mais pessoas não tem aceitam isto e abraçam como vantagem, algo a explorar? Se modismos mas estas mudanças ajudam, desde coisas simples como iluminação boa e correta, até horários flexíveis, dias em casa, etc… Isto não é novidade, pelo menos como idéia, mas ainda vejo bastante resistência nas empresas.

Dica do livro Raise of DEO – Leadership By Design onde um dos fatos é artigo sobre Parnassus Workplace Fund, onde mostra que a taxa de retorno em 5 anos para as empresas que investem em locais de trabalho melhores tem retorno 12,24% contra 5,81% das S&P 500.

Razão é que as pessoas tem necessidades diferentes, pessoais, fisiológicas e o tipo de negócio mudou, especialmente o de cabeça, de escritório, de pensar. Querendo ou não atrai-se talentos com isto, recurso de oferta melhor para atender demanda de ótimo profissional.

De onde vem inspiração?

Sem dúvida, de vários lugares. Livros sagrados, letras de músicas, blogs, artigos de revistas, romances, conversa no táxi com o motorista, fila de caixa são alguns lugares.

Muita vezes de uma leitura sobre algo cotidiano, conversa sem pretensão ou fins de idéias, talvez nadando na piscina (quietude da piscina tem no intervalo de 25 metros de uma borda a outra tem dado ótimos frutos) aparecem as idéias mais bacanas, inspiração para resolver algo de outra forma que não tínhamos considerado ou até decidir cancelar algo.

Inspire, por quê?

Por que de mais um blog sobre inspiração, liderança e idéias? Porque espero contribuir questionando formas de pensar. Porque o diferente é importante, nos dá outra perspectiva, mais saídas, e no fim vantagens competitivas, por um tempo.